Arturo Del Castillo

Desenhador, Argumentista
(Chile) Concepción, 21 de Março de 1925 - Buenos Aires, Janeiro de 1992


Começa a trabalhar para uma agência de publicidade, mas logo se junta ao seu irmão Jorge Perez del Castillo, em Buenos Aires, Argentina, em 1948. Aqui consegue um emprego como letrista de histórias de BD. Um ano depois, Del Castillo colabora com as revistas Intervalo e El Tony com uma série de histórias em BD. Na década de 50, Del Castillo faz uma série de adaptações de romances à BD como Os Três Mosqueteiros e O Homem da Máscara de Ferro, que são publicadas em revistas britânicas. Também para a Britian, desenha histórias de western no Top Spot (Ringo) e Ranger (Dan Dakota, Lone Gun) e para a Cowboy Picture Library. A sua criação mais famosa, no entanto, foi Randall, escrito por Hector Oesterheld, série que tem o seu início em Hora Cero, em 1957. Del Castillo refina o seu estilo gráfico ainda mais e outras obras importantes se seguem: Garrett com o argumentista Ray Collins (Eugenio Zappietro) no Misterix em 1962 e El Cobra em Skorpio em 1974. Del Castillo faz uma história em BD sobre vikings com Alfredo Grassi em Tit-Bits e cria Loco Sexton com Oesterheld em Skorpio. Em meados dos anos 70, produz Ralph Kendall e Ralph O'Connor para o mercado italiano através dos Estúdios Roy d'Ami, onde trabalha até 1989, ano em que se aposenta. 

Garrett

Western
(Argentina) Misterix, 1962-1965
Ray Collins (argumento) e Arturo Del Castillo (desenho)
Estreia em Portugal: Mundo de Aventuras (1ª fase) #736, 31 de Outubro de 1963
Outras publicações: Selecções do Mundo de Aventuras

Pat Garrett é um cavaleiro solitário que percorre o Oeste em busca de quem lhe destruiu a família. Trata-se de um western realista, violento e recheado de belas mulheres. Garrett reaparece mais tarde em 1974 com o nome de El Cobra.  

Crisse

Didier Chrispeels
Argumentista, Desenhador
(Bélgica) Bruxelas, 26 de Fevereiro de 1958


Crisse publica o seu primeiro trabalho na revista Curiosity em 1978. Um ano depois, faz Océan Kings para a revista Spirou, antes de criar Nahomi em Tintin.
Além disso, começa a trabalhar no género realista para a editora Vents d'Ouest com Les Ombres du Passée (1986) com textos do escritor Natacha. Seguidamente, produz a série de fantasia heróica l'Épée de Cristal (1989-1995) e Lorette et Harpye (1993-1997), a partir de textos de Jacky Goupil. Ilustra Cosmos Milady com texto de Jean-Claude de la Royère para a P & T Productions em 1993.
Vents d'Ouest, em seguida, publica Perdita Queen, fantasia policial (1995). No mesmo ano, está presente em Gotham com Ghost Town. Em 1996, inicia uma colaboração com a Soleil Productions, onde lança séries como Kookaburra (1997-2008), Atalante (2000-09) e Ishanti - Danseuse sacrée (2005). Deixa o trabalho artístico de Kookaburra para Nicolas Mitric em 2004 e envolve-se no lançamento de vários spin-offs de Kookaburra, como Kookaburra Universe e Kookaburra K.
Crisse também trabalha como argumentista, criando séries como Griffin Dark com Stanley (1997), Petit d'Homme com Marc N'Guessan (1996-2003), Private Ghost com Serge Carrère (2001-04), Les Ailes du Phaeton com Serge Fino (1998-2000), Luuna, com Nicolas Keramidas (2002-11), Cañari com Carlos Meglia (2005-07), Thaluula com Ood SerrièreContessa com Herval (2011).

Nahomi

Juvenil
(Bélgica) Tintin, 1983-1985
Crisse (argumento e desenho)
Estreia em Portugal: Tintin #31/14º ano, 12 de Dezembro de 1981


Pequena princesa do país do Sol Nascente, Nahomi é filha do rei Morodor. As suas aventuras fantásticas são feitas graças à sua enorme imaginação. Michel de Bom ajuda, por vezes, Crisse na elaboração dos argumentos.

Francis Carin

Argumentista, Desenhador
(Bélgica) Retinne, 24 de Dezembro de 1950


Depois de seguir estudos em arte na Saint-Luc, em Liège, Francis Carin inicia a carreira nos anos 70 com trabalhos para revistas de publicidade. Em 1976, é um dos fundadores da Pourquoi Pas?, e dois anos depois, faz o seu primeiro trabalho de BD para a revista Spirou. Ajuda Arthur Piroton em Les Casseurs de Bois e, mais tarde, inicia a sua própria série, Les Bleus Diables, com argumentos de Michel Pierret. Além disso, Carin faz uma série de histórias curtas na revista Tintin
Em 1983, inicia a série Victor Sackville, com argumentos dos escritores Gabrielle Borile e François Rivière, para a revista Pourquoi Pas?. Mais tarde, a série tem continuidade na revista Tintin, Hella Bedê e em álbum. Em 1986, Carin produz a série Sydney Bruce para a Circus, desta vez em cooperação com Rivière. Desde 1988, é um colaborador freqüente das revista I Love English e Je Bouquine, ambos publicadas pela Bayard. Junta-se a editora Casterman em 2004, para suceder a Christophe Simon como o artista da série de Jacques MartinLefranc, em cooperação com o artista Didier Desmit.

Victor Sackville

Thriller
(Bélgica) Porquoi pas?, 1985
Gabrielle Borille e François Rivière (argumento) e Francis Carin (desenhos)
Estreia em Portugal: Álbum Edinter, 1989


No período que antecede a 1ª Guerra Mundial, Victor Sackville é um espião por conta de Sua Majestade, o Rei de Inglaterra, Jorge V. Victor percorre o planeta, da Holanda ao México, do Egipto à Espanha, lutando contra os apoiantes da Alemanha. 

Frank Hampson

Desenhador, Argumentista
(Inglaterra) Manchester, 22 de Dezembro de 1918 - Epsom, 8 de Julho de 1985


Frank Hampson, com  apenas 13 anos, desenha esboços para a revista Meccano. Com 20 anos, começa a estudar no Victoria College of Arts & Sciences. Durante a Segunda Guerra Mundial, cumpre serviço militar no Royal Army Service Corps,  alcançando a patente de tenente. No final da guerra, recém-casado, começa a freqüentar a Southport School of Arts and Crafts, tentando ganhar a vida com trabalhos freelance. Conhece Marcus Morris, um padre, que tinha ambições de fundar uma revista cristã nacional, The Anvil, com ênfase especial em material para os jovens.
Morris emprega Hampson em tempo integral, e criam a Eagle, um revista que estreia Dan Dare em 1950. Hampson começa a fazer todo o trabalho sozinho, mas, rapidamente, reúne uma grande equipa de artistas, como Desmond Walduck, Johns Harold e Harley Donald, assim como os escritores Alan Stranks e Arthur C. Clarke. Os anos entre 1955 e 1959 foram o auge dos estúdios Eagle. Além de Dan Dare, Hampson trabalha numa variedade de outras séries, como  The Great Adventurer, Tommy Walls, Rob Conway e The Road of courage. Anos depois, com novo editor, Frank aposenta-se da série Dan Dare, deixando-a para Frank Bellamy. Em 1975, recebe um prémio de reconhecimento do seu trabalho no Festival de banda desenhada de Lucca.



Séries publicadas em Portugal:
Dan Dare

[actualizado a 29-1-2015]

Dan Dare

Ficção Científica 
(Inglaterra), Eagle #1, 14 de Abril de 1950
Marcus Morris (argumento) e Frank Hampson (desenhos)
Outros artistas: Harold Johns, Desmond Walduck, Don Harley, Keith Watson, Frank Bellamy
Estreia em Portugal: Titã (Fomento) #25, 6 de Abril de 1955


Dan Dare, piloto do futuro, é o herói de uma série que decorre nos inícios do século XXI. Na realidade, a personagem é, originalmente, feminina com o nome de Dorothy Tate. Mas, rapidamente, cede o seu lugar a Daniel MacGregor Dare, coronel das forças intersiderais da ONUDan Dare tem como companheiros Albert Fitzwilliam Digby, o texano Hank Hogan, o francês Pierre Lafayette e a bela Jocelyn Peadbody. Embaixadores pacíficos do planeta Terra, eles exploram o espaço em busca de novas civilizações. Em Portugal, foi baptizado de Capitão Marte.

Frank Bellamy

Desenhador, Argumentista
(Inglaterra) Kettering, 21 de Maio de 1917 - n.d. 5 de Julho de 1976


Frank Bellamy é um artista autodidata, mais conhecido pelas BD’s de aventura. Começa a sua carreira artística, trabalhando para uma agência de arte em Kettering, onde faz pinturas para um cinema local. Depois de servir na Artilharia Real durante a Segunda Guerra Mundial, regressou à agência, onde trabalhou até 1948, quando parte para Londres, tornando-se um ilustrador freelancer para várias revistas. Para a revista Eagle, cria a Commando Gibbs, uma revista de BD de publicidade para a Gibbs, que marca o início de sua carreira na BD. Várias vezes, colabora com o escritor Clifford Makins, criando um número considerável de histórias para várias revistas entre 1950 e 1960.
O seu trabalho para a revista Mickey Mouse Weekly inclui Monty CarstairsSecret in the Sands e Walt Disney's Living Desert. Para a Hulton Press, faz uma série de tiras de aventura histórica, Swiss Family RobinsonRei Arthur e Robin Hood. Em 1957, desenha uma biografia de Winston Churchill para a Eagle, chamada The Happy Warrior. Em 1960, assume a famosa série Dan Dare do seu criador, Frank Hampson.
Durante os anos sessenta, cria várias adaptações em BD de grandes livros. Assume a série Thunderbirds. O seu último trabalho importante foi a série Garth para o The Daily Mirror, de 1971 até sua morte em 1976.

Garth

Ficção Científica
(Grã-Bretanha) Daily Mirror, 24 de Julho de 1943
Steve Dowling (texto e desenho)
Outros artistas: John Allard, Don Freeman, Peter O'Neil, Frank Bellamy, Martin Asbury, Jim Edgar, Huw Davies
Estreia em Portugal: O Mosquito (1ª fase) #1171, 13 de Setembro de 1950


Alto, atlético, uma força sobrenatural, Garth é um personagem proveniente da Grécia antiga. Contudo, este gigante louro pode metamorfosear-se e viajar no tempo graças a uma invenção do professor Lumière. A personagem foi criada por Steve Dowling numa tira diária para o jornal britânico Daily Mirror. Em 1957, Dowling é substituído por John Allard e, em 1971, por Frank Bellamy. Após a morte deste, Martin Asbury assume a série com textos de Jim Edgar

Rohner

Aventura
(Espanha) Cimoc, 1988
Alfonso Font (argumento e desenhos)
Estreia em Portugal: Selecções BD (1ª série) #33, Janeiro de 1991


Rohner é um pequeno traficante aventureiro de origem alemã que vive nas ilhas Samoa nos finais do século XIX. Os seus amigos são o romancista Louis Stevenson e a sua esposa.

Alfonso Font

Argumentista, Desenhador
(Espanha) Barcelona, 28 de Agosto de 1946


Nascido em Barcelona, Alfonso Font Carreras estuda artes plásticas, começando a sua carreira realizando alguns trabalhos de ilustração para a editora Bruguera. As primeiras BD’s primeira foram publicadas na editora Hazanas del Oeste da Toray. Para a agência Illustradas Selecciones, realiza BD’s históricas sobre a vida de criminosos famosos. Em 1970, começa a trabalhar para o mercado britânico (Black Max para a Fleetway) e no mercado americano (Warren, Skywald). Com o escritor C. Echevarria, cria Géminis.
Em 1975, estabelece-se em Paris, onde começa uma colaboração com a revista Pif Gadget. Para esta revista cria Sandberg, Père et Fils (argumento de Patrick Cothias, 1975-1977), Les Dossiers Mystère (argumentos de Solet, arte em colaboração com Carlos Giménez e Usero, 1978) e Les Robinsons de la Terre (argumento de Roger Lécureux, 1979-1982). 
Font retorna ao seu país natal, onde começa duas novas séries com Victor MoraSylvestre e Tequila Bang. Trabalha para várias revistas, como Cimoc, Circus, Tope À e 1984. Para esta última, cria Clarke e Kubrick, dois personagens de ficção científica.
Em Cimoc, apresenta o seu personagem da aviação Frederico Mendelssohn Bartholdy. Também para esta revista, cria, em 1983, El de las Estrellas Prisionero e a série Jann Polinésia e John Rohner, ambas em 1985. Para a Tope, desenha, no mesmo ano, Carmen Bond.
Em 1987, começa a trabalhar para a Pilote e a Charlie Mensuel, com a série Taxi. Depois de dois álbuns independentes para as editoras Planeta, reinicia a série John Rohner para a editora Norma. Para a Cimoc, cria Privado e Bri d'Alban, bem como Negras Tormentas, uma série policial com o escritor Juan Antonio De Blas. Em 1996, lança Dra. Dare , uma série erótica na Penthouse Comix. Dois anos mais tarde, trabalha para editora Bonelli, assegurando alguns episódios de Tex Willer. Em 2004, trabalha para a Pif Gadget com a série Trelawney, com argumento de Marazano

Taxi

Policial
(Espanha) Cimoc, 1988 - 1992
Alfonso Font (argumento e desenhos)
Estreia em Portugal: Selecções BD (1ª série) #9, Janeiro de 1989

Loura e bonita, Taxi, conduz um táxi e é jornalista, especializada em investigações juntos de multinacionais que não cumprem a legislação. 

Modesty Blaise

Policial
(Grã-Bretanha) The Evening Standard, 13 de Maio de 1963 - 11 de Julho de 2002
Peter O'Donell (argumento) e Jim Holdaway (desenho)
Outros autores: Enrique Romero
Estreia em Portugal: Pim Pam Pum
Outras publicações: Comix (Portugal Press), Álbum Gradiva


A série é inspirada na literatura de espionagem dos anos 60 do século XX. A bela Modesty, após ser líder de uma organização criminal, passa a ser um dos mais fieis agentes dos serviços secretos britânicos.  

Lance

Western
(EUA) 5 de Junho de 1955 - 29 de Maio de 1960
Warren Tufts (texto e desenho)
Estreia em Portugal: Cavaleiro Andante #238, 21 de Julho de 1956


Amigo de infância de Kit Karson, filho do marquês de Saint-Lorne, aluno da Academia de West-Point, o tenente Lance Saint-Lorne é um jovem sedutor e ambicioso. As suas aventuras começam no forte fronteiriço de Leavenworth, onde na companhia do sargento Blaze faz reconhecimentos de territórios ainda desconhecidos do Oeste norte-americano. A descoberta é de um mundo diferente com índios hostis num ambiente perfeitamente selvagem. Enamora-se da bela Valle, sua companheira de aventura após a sua nomeação para comandante dos Mounted Rangers. A série termina após cinco anos de aventuras com a partida de Lance com os colonos para a Califórnia. 
As aventuras foram desenhadas em 261 pranchas dominicais a cores e durante um ano (1957/1958) houve tiras diárias não numeradas a preto e branco. 
A estreia em Portugal deu-se na revista Cavaleiro Andante com o nome de «Flecha».

Ka-Zar

Super-Heróis
(EUA) Ka-Zar#1, Outubro de 1936, Ben Thompson
(EUA) X-Men #10, Março de 1965, Stan Lee (texto) e Jack Kirby (desenho)
Outros autores: Sal Buscema, Gerry Conway, Tony Zuniga, Mike Friedrich, Don Heck, Paul Reinman, Mike Royer, Jack Abel
Estreia em Portugal: Mundo de Aventuras Especial #2, 18 de Agosto de 1975
Outras publicações: Mundo de Aventuras (2ª fase)


O primeiro Ka-Zar, David Rand, é um senhor da selva, na senda das aventuras de Tarzan. A sua estreia foi no comic-book Ka-Zar #1 de Outubro de 1936, com o nome de Ka-Zar the Great. O segundo Ka-Zar só aparece em 1965 pela dupla Jack Kirby/Stan Lee para o X-Men #10. Nesta nova versão de Ka-Zar (Kevin Plunder como novo de baptismo), vive numa Terra povoada por dinossáurios e extraterrestres escondidos no interior da Antártida. Originalmente escrito como um selvagem primitivo e beligerante, Ka-Zar evolui para um ser civilizado, mantendo um certo grau de desconfiança em relação à civilização e cauteloso dos visitantes de fora da Terra Selvagem.
Kevin Plunder, o "Senhor da Terra Selvagem", nasce no castelo de Kentish Town, em Londres, sendo o filho mais velho de Lord Robert Plunder, o nobre inglês que descobriu a Terra Selvagem. Depois dos seus pais serem mortos pelos bárbaros homem-macacos da Terra Selvagem, Plunder é encontrado e criado pelo tigre Zabu, detentor de poderes quase-humanos de inteligência devido a uma mutação causada por névoas radioativas. Ka-Zar significa "Filho do Tigre", na língua do Homem-Macacos. Ka-Zar torna-se um perito caçador, caçador, pescador e, vivendo da terra selvagem. Mais tarde, casa-se com Shanna, Shanna the She-Devil.
Kevin Plunder é um homem atlético, sem poderes sobre-humanos. Utiliza um estilo único de combate corpo a corpo moldado por anos de sobrevivência na Terra Selvagem, onde desenvolve grandes habilidades na caça, armadilhas e pesca. Possui uma faca Bowie e, ocasionalmente, usa um estilingue, arco e flecha e outras armas primitivas.
Ka-Zar faz parcerias com vários heróis da Marvel. Os X-Men são visitantes recorrentes na Terra Selvagem e Ka-Zar é um aliado frequente, ajudando-os a derrotar mutantes, como Sauron e Magneto. Também se junta ao Homem-Aranha em diversas ocasiões, uma dos quais impedindo Stegrom, o homem dinossauro de invadir a cidade de Nova Iorque com dinossauros da Terra Selvagem. Ka-Zar também ajuda os Vingadores a repelir Terminus, mas enquanto salvam muitos nativos, não são capazes de impedir a destruição da Terra Selvagem. Ka-Zar é, então, resgatado pelos Vingadores, deixando a Terra Selvagem, indo para o mundo civilizado. Aqui, ele e Shanna têm um filho chamado Mathew. A Terra Selvagem é, mais tarde, reconstruída e Ka-Zar e Shanna voltam com seu recém-nascido, retomando as suas aventuras.

Dick Tracy

Policial
(EUA) Chicago Tribune, 4 de Outubro de 1931
Chester Gould (argumento e desenhos) 
Estreia em Portugal: Mundo de Aventuras (1ª fase) #855, 10 de Fevereiro de 1966
Outras publicações: Lobo Mau, Quadradinhos (2ª série), Mundo de Aventuras Especial, Mundo de Aventuras (2ª fase), Álbum Armasilde


No dia 4 de Outubro de 1931 aparece nas páginas do Chicago Tribune pela mão de Chester Gould a primeira prancha das aventuras deste polícia americano. Após o assassinato do seu pai e o rapto da sua namorada Tess Trueheart, o jovem Dick decide incorporar-se na polícia com o fim de combater o crime. Dick Tracy é um «duro», retratando o realismo da polícia americana de combate ao crime organizado. Em 1949, casa com Tess e nasce um filho que lhe dão o nome de Bonny. Em 1977, Chester cede o desenho ao seu assistente Dick Fletcher e o argumento a Max Collins. A partir de 1992, a série passa a ter as assinaturas de Michael Kilian e Dick Locher.



Bibliografia portuguesa:
  • Crime na neve (-), -, Mundo de Aventuras (1ª fase)  #855
  • A sereia lunar (-), -, Mundo de Aventuras (1ª fase)  #1090
  • O laboratório de polícia (-), -, Lobo Mau  #1 a  #12
  •  - (-), -, Quadradinhos (2ª série)  #5 a #18
  • [4-10-1931 a 13-11-1931], Mundo de Aventuras Especial #16
  • [11-3-1940 a 20-4-1940], Mundo de Aventuras Especial #6
  • [22-4-1940 a 27-6-1940], Mundo de Aventuras (2a fase)  #301 a #326
  • [17-9-1941 a 25-12-1941] - Dick Tracy contra o Toupeira, Mundo de Aventuras (2ª fase)  #250 a #283
  • [#1195 a #1318], Álbum Armasilde [1972]
  • [#1319 a #1439], Álbum Armasilde [1972]
[actualizado a 30-1-2015]

Big Ben Bolt

Aventura
(EUA) King Features Syndicate, 20 de Fevereiro de 1950 - 10 de Abril de 1978
Elliot Caplin (textos) e John Cullen Murphy (desenhos)
Outros artistas: Carlos Garzon
Estreia em Portugal: Mundo de Aventuras (1ª fase) nº 71, 11 de Janeiro de 1951


O nome do herói foi retirado do poema britânico “Ben Bolt” (1843) de Thomas Dunn. Ben é um pugilista. Contudo, diferente dos demais, como jovem letrado, culto e elegante. Filho de pais americanos e oriundo de um país da esfera soviética, Ben, com 20 anos, embarca para os Estados Unidos, onde se torna campeão dos pesos-pesados.
Em 1955, Ben, após uma lesão, abandona os ringues e torna-se jornalista desportivo.
Mais tarde, os autores da série, ao terem dificuldade de construir argumentos na área do desporto do pugilismo, a série passa para o género policial, com Ben Bolt a conhecer  um velho criminalista, de quem se torna assessor e com quem vive as suas aventuras. 
Finalmente, Bolt torna-se colaborador de uma agência de espionagem, a Interpax. A série termina com a morte de Bolt, assassinado quando recebia o Prémio Nobel da Paz.
Com a passagem de Murphy para desenhador do Príncipe Valente, os desenhos são assegurados por Carlos Garzon, Joe Kubert e Gray Morrow. 
Em Portugal, foi baptizado com Luís Euripo.


Bibliografia portuguesa:
  • 19??/01/02-19??/03/09 - Falso amigo, Mundo de Aventuras (1ª fase) #1247
  • 19??/01/05-19??/03/12 - Luta pelo título!, Mundo de Aventuras (1ª fase) #359 a #374
  • 19??/05/31-19??/08/16 - No poder por um dia, Mundo de Aventuras (2ª fase) #16
  • 19??/11/02-19??/01/18 - K.O. em Hollywood, Mundo de Aventuras (2ª fase) #13
  • 19??/11/23-19??/03/10 - O preço da vitória, Mundo de Aventuras (1ª fase) #463 a #476
  • 1950/02/20-1950/06/17, Mundo de Aventuras Especial #18
  • 1950/07/11-1951/10/07, Mundo de Aventuras (1ª fase) #74 a #126
  • Um caso sentimental, Condor Popular #8/8º volume
  • O caso Toltaker, Condor Popular #4/78º volume
  • A herança, Condor Popular #4/78º volume
  • A grande cozinheira, Mundo de Aventuras (1ª fase) #177 a #179
  • A senhora Malú, Condor Mensal #31
  • Chepe é ludibriado, Mundo de Aventuras (1ª fase) #180 a #204
  • Combate em Argel, Mundo de Aventuras (1ª fase) #205 a #208
  • Luís Euripo contra Juanote o índio, Mundo de Aventuras (1ª fase) #168 a #172
  • Luís Euripo contra Milano, o pugilista traiçoeiro, Mundo de Aventuras (1ª fase) #156 a #163
  • Luís Euripo contra Red Dowdy, Mundo de Aventuras (1ª fase) #209 a #217
  • Luta entre famílias, Mundo de Aventuras (1ª fase) #173 a #176 
  • O desafio das mulheres, Condor Mensal #23
  • O grande campeão português, Mundo de Aventuras (1ª fase) #127 a #148
  • O iate misterioso, Mundo de Aventuras (1ª fase) #163 a #167
  • O mistério do avião desaparecido, Condor Mensal #22
  • Procura-se um tesouro, Condor Mensal #30
  • Uma aventura em férias, Condor Mensal #10
  • 1954/07/01-1954/10/16 - Big Ben Bolt contra o campeão soviético, Boletim do CPBD #118
  • A estranha proposta do milionário Huntley, Álbum do Mundo de Aventuras de 1954
  • Valente ou cobarde?, Mundo de Aventuras (1ª fase) #253 a #259
  • 1955/03/14-1955/06/25 - O regresso de Luís Euripo, Mundo de Aventuras (1ª fase) #412 a #433
  • Duplicidade..., Condor Mensal #56
  • O grande astro, Mundo de Aventuras (1ª fase) #306 a #323
  • O mal estava nos pés, Condor Mensal #48
  • Sábio pugilista, Mundo de Aventuras (1ª fase) #282 a #301
  • [-], Tigre (1ª série) #10
  • [-], Tigre (1ª série) #20
  • 1957/04/16-1957/06/29 - Justiça no ringue, Mundo de Aventuras (1ª fase) #486 a #499
  • Paixão perigosa, Tigre (1ª série) #29
  • Um amigo indesejável, Ciclone #135
  • O tesouro do deserto, Ciclone #157
  • O espelho dos Bórgia, Ciclone #411
  • Herança frustrada, Ciclone #425
  • [-], Ciclone #482
  • Uma carta fechada,Ciclone #567
  • A herança,Condor Popular #4/78º volume
  • 1958/03/11-1958/??/?? - Golpe decisivo, Mundo de Aventuras (1ª fase) #500 a #511
  • 1958/04/06-1958/06/??, Mundo de Aventuras (1ª fase) #477 a #485
  • 1958/08/18-1958/11/29 - O tirano de Brakova, Chico Zumba #2
  • Decisão heróica, Tigre (1ª série) #41
  • [-], Tigre (1ª série) #37
  • [-], Águia #68
  • 1959/04/06-1959/07/18 - O tesouro do capitão Barbados, Heróis Inesquecíveis #10
  • O falso cineasta, Mundo de Aventuras (1ª fase) #516
  • Viagem perigosa, Tigre (1ª série) #53
  • 1960/04/25-19??/??/?? - O ídolo misterioso, Mundo de Aventuras (1ª fase) #800 a #803
  • 1960/10/17-1961/02/03 - O grande negócio, Mundo de Aventuras (1ª fase) #779
  • Exigências do amor, Policial (Mundo de Aventuras) #14
  • Luís Euripo contra o cérebro mecânico, Selecções (Mundo de Aventuras) #7
  • O tesouro do Capitão Barbados, Selecções (Mundo de Aventuras) #3
  • Um sobrinho com expediente, Mundo de Aventuras (1ª fase) #564
  • 1962/03/06-1962/05/26 - Duelo no passado, Selecções (Mundo de Aventuras) #62
  • 1962/05/28-1962/08/11 - Táctica de guerra, Mundo de Aventuras (1ª fase) #841
  • Punhos de aço, Selecções (Mundo de Aventuras) #10
  • Smithtown, Selecções (Mundo de Aventuras) #10
  • Um plano frustrado, Selecções (Mundo de Aventuras) #17
  • Uma aventura de Luís Euripo, Selecções (Mundo de Aventuras) #15
  • 1963/03/??-1963/04/28 - O grande combate, Mundo de Aventuras (1ª fase) #782
  • 1963/06/16-1963/12/29 - O clube da morte, Mundo de Aventuras (2ª fase) #52
  • [-], Selecções (Mundo de Aventuras) #30
  • [-], Espaço «Mundo de Aventuras» #29
  • 1964/05/??-1964/06/?? - A grande campanha, Mundo de Aventuras (1ª fase) #837
  • 1964/06/??-1964/08/23 - Os rebeldes, Mundo de Aventuras (1ª fase) #826
  • 1964/06/22-1964/08/14 - Renúncia, Mundo de Aventuras (1ª fase) #821
  • 1964/08/??-1964/11/08 - A herança, Mundo de Aventuras (1ª fase) #831
  • 1964/11/16-1965/01/16, Mundo de Aventuras (2ª fase) #198
  • A fuga do presidiário, Espaço «Mundo de Aventuras» #41
  • A história de um milhão, Selecções (Mundo de Aventuras) #34
  • A maior vitória, Mundo de Aventuras (1ª fase) #792 a #795
  • O campeão, Mundo de Aventuras (1ª fase) #759 
  • O castelo ensombrado, Policial (Mundo de Aventuras) #40 
  • O elixir maravilhoso, Álbum do Mundo de Aventuras de 1964
  • O grande negócio, Mundo de Aventuras (1ª fase) #779
  • O naufrágio, Mundo de Aventuras (1ª fase) #784 a #787
  • O tratamento rejuvenescedor, Selecções (Mundo de Aventuras) #35
  • Um ponto fraco, Mundo de Aventuras (1ª fase) #772
  • Uma lição de boxe, Mundo de Aventuras (1ª fase) #771
  • 1965/??/??-1965/??/??, Selecções (Mundo de Aventuras) #6
  • A mina de oiro, Mundo de Aventuras (1ª fase) #810
  • Luta de campeões, Mundo de Aventuras (1ª fase) #894
  • Miss Vénus, Mundo de Aventuras (1ª fase) #814 
  • O grande combate, Mundo de Aventuras (1ª fase) #817
  • 1967/03/06-1967-05-12  - Tentativa de morte, KO (H. Pimenta) #5
  • A grande revelação, Mundo de Aventuras (1ª fase) #906
  • A herança, Mundo de Aventuras (1ª fase) #910
  • O desafio, Mundo de Aventuras (1ª fase) #902
  • [-], Mundo de Aventuras (1ª fase) #923
  • 1968/12/09-1969/02/01 - Casas para pobres, Mundo de Aventuras (2ª fase) #75
  • Big Ben Bolt contra o homem de aço, Mundo de Aventuras (1ª fase) #969
  • Plano diabólico, Mundo de Aventuras (1ª fase) #1000
  • 1969/??/??-1969/??/?? - O pugilista cantor, Mundo de Aventuras (2ª fase) #4
  • 1969/02/03-1969/05/17 - Competição singular, Mundo de Aventuras (2ª fase) #35
  • 1969/12/22-1970/02/14, Galo #3
  • Actor à força, Mundo de Aventuras (1ª fase) #1041
  • Acusação inesperada, Selecções (Mundo de Aventuras) #104
  • Missão na universidade, Selecções (Mundo de Aventuras) #95 
  • O julgamento do juíz, Selecções (Mundo de Aventuras) #99
  • 1970/02/17-1970/05/02 - No ringue dos samurais, KO (H. Pimenta) #1
  • 1970/05/04-1970/07/11 - Golpes de amor, KO (H. Pimenta) #2
  • 1970/08/23-1970/11/01 - O pugilista desaparecido, Mundo de Aventuras (2ª fase) #120
  • 1970/11/08-1971/01/03, Mundo de Aventuras (2ª fase) #575
  • A coleira de diamantes, Mundo de Aventuras (1ª fase) #1075
  • O ídolo caído, Mundo de Aventuras (1ª fase) #1113
  • O realizador teimoso, Mundo de Aventuras (1ª fase) #1104
  • Olho por olho, Mundo de Aventuras (1ª fase) #1059
  • Um título em jogo, Mundo de Aventuras (1ª fase) #1129
  • A balada reveladora, Condor (Amarelo) #22
  • A carta reveladora, Mundo de Aventuras (1ª fase) #1168
  • Ressuscitados, Condor (Amarelo) #15
  • Missão para além das grades, Mundo de Aventuras (1ª fase) #1232 
  • Mordor, o pugilista de ferro, Mundo de Aventuras (1ª fase) #1224 
  • Novamente campeão, Mundo de Aventuras (1ª fase) #1238
  • Os hippies, Mundo de Aventuras (2ª fase) #12
  • Regresso ao pugilismo, Mundo de Aventuras (1ª fase) #1219
  • Jerry, o brigão, Canguru (1ª série) #80,Outubro 1974
  • A bela Tasmânia, Condor Popular #4/70º volume
  • A misteriosa condessa,Condor Popular #4/82º volume
  • A nobreza do presidiário, Audácia #321 a ?,
  • A última testemunha, Condor Popular #5/8º volume
  • Campeão de boxe, Condor Popular #5/1º volume
  • Contra espionagem, Condor Popular #1/81º,
  • Jogo perigoso, Condor Popular #10/21º,
  • Luís Euripo contra o pugilista mascarado, Águia #58
  • O barco viking, Condor Popular #1/79º volume
  • O camião do Governo, Condor Popular #10/86º volume
  • O diário, Condor Popular #10/81º volume
  • O estranho caso do velho André, Condor Popular #9/85º volume
  • O estranho cruzeiro, Condor Popular #3/63º volume
  • O falso campeão, Condor Popular #9/34º volume
  • O mal da celebridade, Condor Popular#2/71º volume
  • O mistério do milionário,Condor Popular,3/38º volume
  • O pesadelo, Condor Popular #1/42º volume
  • O segredo de Álamo, Condor Popular #8/19º volume
  • O segredo de Brian Moriarty, Grilo (APR) #1 a #48 
  • O veleiro das pérolas, Condor Popular #7/64º volume
  • Os falsificadores, Condor Popular #7/87º volume
  • Regresso ao ringue, Condor Popular #5/56º volume
  • Reportagem arriscada, Condor Popular #2/12º volume
  • Um tesouro singular, Condor Popular #1/75º volume
  • [1971],Carlos Garzon, Gatinha #4
  • 1972/12/04-1973/03/03 - O grande combate de boxe, Carlos Garzon, Êxitos da TV #4
  • 1973/03/05-1973/04/21 - Caprichos de uma milionária, Carlos Garzon, Mundo de Aventuras (2ª fase) #15
  • 1973/12/10-1974/01/18 - O combate decisivo, Carlos Garzon, Jornal do Cuto #133
  • 1974/07/15-1974/09/28 - Campeão índio, Carlos Garzon, KO (H. Pimenta) #3
  • 1975/01/13-1975/03/29 - O presidiário, Carlos Garzon,KO (H. Pimenta) #4
  • 1977/02/28-1977/06/04,Carlos Garzon e Joe Kubert, Mundo de Aventuras (2ª fase) #267
  • 1977/06/06-1977/07/30, Joe Kubert, Mundo de Aventuras (2ª fase) #280
  • 1977/08/01-1977/01/10, Gray Morrow, Mundo de Aventuras (2ª fase) #297
  • 1977/10/03-1977/12/19, Gray Morrow, Mundo de Aventuras (2ª fase) #320,22-11-1979
  • 1977/12/19-1978/03/18, Gray Morrow e Neal Adams, Mundo de Aventuras (2ª fase) #421 
[actualizado em 27-1-2015]

Malik

William Tai
Desenhador, Argumentista
(França) Paris, 2 de Janeiro de 1948


Nascido em Paris, Malik passa a sua juventude na Indochina, emigrando em seguida para a Bélgica. Inscreve-se na Academia Real de Belas-Artes de Bruxelas e inicia-se na revista Tintin, passando a partir de 1970 a trabalhar para a revista Spirou. Colabora n' As mais belas histórias do Tio Paulo (argumentos de Octave Joly) e cria com Jean-Marie Brouyère, em 1971, a série Archie Cash. Ainda com Brouyère e Terence, cria a série Blue Bird em 1982. Além das séries realistas, Malik também tem uma carreira como desenhador humorístico: Big Joe (argumento de Bom), La raque à mal (textos de Benoît), Plombier e La vie secrète des poubelles (argumento de Dugomier).

Jean-Marie Brouyère

Desenhador, Argumentista
(Bélgica) 1943


Após os estudos no Instituto Saint-Luc de BruxellesBrouyère ingressa na revista Tintin com as séries Onomatopax (1966) e Tufutu (1969) e na revista Spirou com Al Allo (1971). Como argumentista, trabalha, entre outros, com Malik em Archie Cash (1971), Eddy Paape com Tommy BancoSirius em L'Epervier Bleu (1973). Em 1980, abandona a banda desenhada.

Archie Cash

Aventura
(Bélgica) Spirou, #1745, 23 de Setembro de 1971 - Spirou #2590, 1 de Dezembro de 1987
Jean-Marie Brouyère (argumento), Malik (desenhos)
Estreia em Portugal: Mundo de Aventuras (2ª fase) #162, 4 de Novembro de 1976 
Outras publicações: Spirou (2ª série), Jornal da BD


Archie Cash, retrato da fisionomia do actor Charles Bronson,  é um combatente musculado que quer fazer reinar a ordem no pequeno estado fictício sul-americano de Toro-Toro, palco de permanentes revoluções de pacotilha. Sob o sol tropical, as belas raparigas, os ditadores, os traficantes, Archie Cash actua como uma verdadeiro Rambo, tentando fazer sobreviver o bem. Inicialmente escrita por Jean-Marie Brouyère, seguem-lhe Smit, Teeseling e Terence. Após quinze álbuns, Malik, o desenhador, interrompe, definitivamente, a série em 1988. 

John Carter de Marte

Heroic-Fantasy
(EUA) Tarzan #207, 1972
Marv Wolfman (argumentos) e Murphy Anderson (desenhos)
Outros artistas: Gray Morrow, Sal Amendola, Howard Chaykin, Noly Zamora 
Estreia em Portugal: Mundo de Aventuras (2ª fase) #159, 14 de Novembro de 1974
Outras publicações: Álbum Agência Portuguesa de Revistas


Numa adaptação da obra de Edgar Rice Burroughs, John Carter é um cowboy do séc. XIX que, durante uma fuga no deserto, acaba teleportado para Marte, onde descobre que adquire superpoderes devido à baixa gravidade.


Bibliografia portuguesa:
  • A chegada (The arrival), 1972, Anderson e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #59; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • Prisioneiro dos Tarks (Prisioner of the Tarks), 1972, Morrow e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #59; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • Encontro com a princesa (-), 1972, Anderson e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #59; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • Tribunal do medo (Trial of fear), 1972, Anderson e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #59; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • A fuga (Escape), 1972, Anderson e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #66; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • O vale da morte (The arrival), 1972, Anderson e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #66; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • Thuvia, a castelã do inferno (Thuvia), 1972, Anderson e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #66; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • Perigo de morte (Deathknell), 1972, Anderson e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #76; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • No fundo do mar Omean (Beneath the Omean Sea), 1972, Amendola e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #76; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • Reunião (Reunion), 1972, Chaykin e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #76; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • A prisioneira de Esmeralda (-), 1972, Zamora e Catan e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #209
* colectânea
[actualizado a 25-1-2015]

Buck Rogers

Ficção Científica
(EUA) Courrier Press, 7 de Janeiro de 1929
Philip F. Nowlan (argumento) e Dick Calkins (desenhos)
Outros artistas: Murphy Anderson, Rick Yager, George Tuska, Jack Lehti, Howard Liss, Fritz Lieber
Estreia em Portugal: Mundo de Aventuras (1ª fase) #546, 10 de Março de 1960


Buck Rogers nasce em Agosto de 1928 num romance de Philip Francis Nowlan. Pouco meses depois, inicia-se na BD ao acordar de um sono de cinco séculos, mais propriamente, em 2419, descobrindo a Terra devastada e governada por chineses. Assim, Buck luta contra o opressor asiático, refugiando-se na clandestinidade com um grupo de americanos. Buck, antigo tenente da aviação, envolve nas aventuras a sua apaixonada Wilma Deering. Os dois lutam contra os homens-tigres de Marte com o seu indefectível inimigo Killer Kane

Murphy Anderson

Desenhador
(EUA) Asheville, 9 de Julho de 1926


Murphy Anderson inicia-se na BD em 1944, no grupo Home Fiction, passando a tinta as tiras de Suicide Smith (1944), Sky Rangers (1946) e Star Pirate (1947). Em 1947, Anderson assume o desenho da série Buck Rogers de Dick Calkins
Durante a década de 50, passa por vários ateliês de BD, como a Pines, a Marvel, a St. John, Ziff-Davis e, finalmente, a National. Junta-se ao desenhador e editor Carmine Infantino e recriam Adam Strange e Batman.
Entre 1960 e 1964, trabalha nos Cavaleiros Atómicos e entre 1963 e 1967 em Hawkman. Em 1966, Anderson assina com Gil Kane as séries Lanterna Verde Atom e, finalmente, com o desenhador Curt Swan para renovar outro ícone famoso dos super-heróis, Superman.

Os Cavaleiros Atómicos

Atomic Knight
Super-heróis
(EUA) Strange Adventures #117, Junho de 1960
John Broome (argumentos) e Murphy Anderson (desenhos)
Estreia em Portugal: Mundo de Aventuras (2ª fase) #186, 19 de Julho de 1979


Após a catastrófica Guerra do Hidrogénio de 1986, um pequeno tirano chamado o Barão Negro governa tiranicamente uma pequena parte do Centro-Oeste de Los Angeles. Para o defrontar, cinco cavaleiros, liderados pelo sargento Gardner Grayle, usam armaduras imunes às radiações atómicas das armas do Barão. Os cavaleiros, além de Grayle, são os gémeos Wayne e Hollis Hobard, Bryndon Smith, o último cientista da Terra, Douglas Marene Herald.

Little Ego

Erotismo
(Itália) Comic Art, 1983 - Éditions Glenat, 1988
Vittorio Giardino (texto e desenho)
Estreia em Portugal: Álbum Meribérica
Outras publicações: Selecções BD (2ª série)


Baseada na série de Winson MacCay, Little Nemo, Little Ego tem sonhos libertinos e sensuais, acompanhados por belas mulheres e homens viris e sedutores. A série apresenta-se em histórias curtas.

Vittorio Giardino

Desenhador, Argumentista
(Itália) Bolonha, 24 de Dezembro de 1946


Giardino, engenheiro electrónico de formação, inicia a sua carreira na BD em 1978. Os seus primeiros trabalhos aparecem na revista La Città Futura. No ano seguinte, estreia a série do detective Sam Pezzo. Em 1982, nasce a personagem Max Fridman no Orient-Express. Um ano mais tarde, para o Glamour International e para o Comic Art, desenha histórias curtas de Little Ego, versão feminina e erótica do pequeno sonhador idealizado por Winson McCay. Em 1993, estreia a série Jonas Fink para o jornal Il Griffo, uma série que decorre durante o período difícil do regime comunista da ex-Checoslováquia. Em 1996, adapta o romance de Dino Buzzati, Veston ensorcelé. Em 2001, a Casterman edita um conjunto de histórias curtas num álbum intitulado Férias Fatais. Dois anos, propõe-nos, em conjunto com Giovanni Barbieri, a obra Eva Miranda.

Max Fridman

Espionagem/Histórico.
(Itália) Orient Express #1, Junho de 1982
Vittorio Giardino (desenhos e argumento)
Estreia em PortugalJornal da BD #243, 31 de Março de 1987
Outras publicações: Álbum Público/Edições ASA


Max Fridman, a obra mais prestigiada de Vittorio Giardino, é uma série de espionagem, ambientada em 1938, na Europa já a um passo da guerra.
Antigo espião francês, reformado e a viver na Suíça com a filha, Max é chantageado pelos dirigentes da contraespionagem de Paris e obrigado a voltar ao activo por uma missão, em Budapeste, onde a rede francesa (Rapsódia) está a ser aniquilada.
Esse é o ponto de partida para o primeiro episódio da série, “Rapsódia Húngara”, onde a disputa é intensa entre os franceses e os alemães nazis da Abwehr e os russos soviéticos da NKVD.
Pouco se sabe do passado de Max, um quarentão de barba ruiva, divorciado, a não ser que já esteve na Catalunha, fica nervoso com as armas de fogo, dificilmente é seduzido por mulheres mas é facilmente derrubado a soco. O apelido não engana, é judeu.
O primeiro episódio da série passa-se quase todo em Budapeste, mas também nas ilhas gregas, nos meses de Fevereiro e Março de 1938 e termina com o Anschluss, a anexação nazi da Áustria.
Ainda em 1938, Max Fridman vai estar em Istambul (“La Porta d’Oriente”) e na Catalunha (“No Pasaran”), nos outros dois títulos da série, inéditos em português.
Não tiverem a mesma receção que “Rapsódia Húngara”, lançada em 1982 na revista italiana Orient Express e que elevou Giardino ao estatuto de grande autor de BD.
Pela introdução que Giardino escreveu para a obra, fica-se a saber que tudo começou com a passagem do autor por Budapeste, em 1972, e com a intensa paixão pela cidade.
“Este é o lugar por onde começar, não pode ser outro. E a história chamar-se-á Rapsódia Húngara”, escreveu Giardino, que já tinha definido a época histórica, o período imediatamente anterior à II Guerra Mundial.
Budapeste era, então, um intenso entreposto de espionagem, onde se cruzavam todas as grandes potências da altura. Numa Europa onde o nazismo e o fascismo avançavam, a Hungria tentava manter algum equilíbrio democrático, sob a regência do almirante Horty.
Minucioso e elegante no desenho, Giardino é brilhante na reconstituição da Budapeste dos anos 30, o que logo se percebe com a primeira vinheta, uma magnífica representação da ponte Erzsebét, entre as margens de Buda e Peste. 
O traço realista de Giardino, que virá a ser excepcional em obras mais recentes (Little Ego ou Jonas Fink, por exemplo), é próximo da Linha Clara realista belga e por vezes, no arranque de Max Fridman, recorda Tardi.
A série destaca-se também pela elaboração do argumento, a um nível romanesco que é digno dos enredos de espionagem de Graham Greene. Sempre com uma visão social muito forte, refletindo os anos de militância comunista do jovem Vittorio Giardino.

Dominique David

Argumentista, Desenhadora
(Bélgica) Charleroi, 12 de Dezembro de 1960


Dominique David estuda arte na Academia de Belas Artes de Charleroi e no Institut Saint-Luc em Bruxelas. Em 1982, conhece Michel Deligne, e publica a sua primeira história em BD (Rêve Acide) na revista Le Journal Illustré Le Plus Grand Du Monde. A história é editada em álbum em 1985. Após uma aparição no Révolution, David ingressa na revista Spirou em 1984. Aí desenha várias histórias curtas da série Jimmy Boy (1988-1995). Em 1998, desenha Lipstick para a coleção Bulle Noire da editora Glénat. Além disso, escreve os argumentos da série Les Mondes Engloutis para Riff Reb (1985-1986) e A dama, o cine e a sombra para Philippe Berthet (1989).

Jimmy Boy

Aventura
(Bélgica)  Spirou #2394, 1984 - 1996
Dominique David (argumento e desenhos)
Estreia em Portugal:  Álbum Edições ASA, 1992 


Durante uma greve, o pai do jovem Jimmy Boy mata acidentalmente um homem, recolhendo à prisão por longos anos. Aos 13 anos, Jimmy fica só e, na companhia de outros adolescentes, sonha trabalhar no cinema em Hollywood.

Gilles Chaillet

Desenhador, Argumentista
(França) Paris, 3 de Junho de 1946 - Margency, Setembro de 2011


Gilles Chaillet desde cedo tem uma inclinação por história e BD. Entre 1965 e 1977, trabalha nos Studios Dargaud, publicando, em 1966, gags na revista Tintin.
Com Roger Pierre e Jean-Marc Thibault trabalha em Maudits Rois Fainéants e Z'Heureux Rois Z'Henri. Colabora em séries como Achille Talon, Blueberry e Tanguy e Laverdure, e, em 1968, termina uma aventura de Barba-Ruiva, quando Victor Hubinon se encontrava doente. Anonimamente, Chaillet ilustra 14 pequenos livros escritos por Guy Vidal, apresentando as aventuras do Ideafix, o cãozinho da banda desenhada Astérix.
Em 1976, é escolhido por Jacques Martin para assumir a arte da série Lefranc. Chaillet colabora na série até 1996. Ilustra dois livros da série Les Voyages d'Alix e, durante a década de 90, faz os textos históricos dos livros educativos de Jacques Martin, Voyages d'Orion.
Em 1980, Chaillet cria a sua própria série para a revista Tintin, a série histórica sobre o jovem banqueiro Vasco, que decorre no século XIV em Itália. Em 2000, Chaillet desenha o primeiro livro da série de Didier Convard, Le Triangle Secret. Colabora novamente com Convard novamente no díptico histórico Vinci, publicado pela Glénat em 2008 e 2009. Em 2002, inaugura a coleção La Loge Noire da editora Glénat, com a série A Última Profecia.
Na década de 2000, volta-se para a escrita de argumentos para outros desenhadores, criando Tombelaine com Bernard Capo (Casterman, 2001-2006), o detective Intox com Olivier Mangin (Glénat, 2003-2008), Diocletien com Christophe Ansar (Cognito, 2011) e Les Boucliers de Marte com Gine (Glénat, 2011). Além disso, realiza, em 2004, um extenso atlas com mapas detalhados e desenhos sobre a Roma antiga para a Glénat, intitulado Dans la Roma des Césars.

Vasco

Histórico
(França) Nouveau Tintin nº 257, 8 de Agosto de 1980
Gilles Chaillet  (argumento e desenho)
Estreia em Portugal: Tintin #1/15º ano, 15 de Maio de 1982
Outras publicações: Álbum Edinter, Álbum Público/Edições ASA


O rico banqueiro lombardo Talomei, cuja fortuna constrói e destrói governos, é um homem sábio e avisado que usa a sua riqueza ao serviço de causas nobres. Talomei tem dois sobrinhos: Lorenzo que lhe monta diversas armadilhas, e Vasco, um jovem sério e nobre. Talomei tem enorme confiança em Vasco e confia-lhe missões delicadas numa Europa do século XV, onde o dinheiro tem um papel assaz importante no destino dos povos.

Renoy

Pierre Noyer
Desenhador
(Bélgica), Liége, 30 de Agosto de 1974

Nascido em Liège e cunhado de Derib, Pierre Noyer começa a sua carreira como arte-finalista. Em 1975, cria a série Nanouche com o argumentista Janeiro para a revista Tintin sob o pseudónimo Renoy.


Nanouche

Aventura
(Bélgica) Tintin, 1977
Renoy (desenhos) e Janeiro (argumento)
Estreia em Portugal: Tintin #18/11º ano, 16 de Setembro de 1978
Outras publicações: Tintin Especial Anual, Jornal da BD, Álbum Edinter

Aventuras de uma jovem motard.

Ferdinando Tacconi

Desenhador, Argumentista
(Itália) Milão, 27 de Dezembro de 1922 - 12 de Maio de 2006


Ferdinando Tacconi forma-se em Artes Aplicadas no Castelo Sforzesco e inicia a sua carreira artística após a Segunda Guerra Mundial, começando com trabalhos de ilustração para as revistas femininas Mondadori das Confidenze de Liala e Grazzia. As suas primeiras BD’s são publicadas pelo editor Pascal Giurleo, como Il Pirata Morgan, Pilota Jack, Diabo Miss e Sciuscià. Ingress na editora Torelli, onde cria Nat del Santa Cruz com Dalmasso em 1951, seguido por El Bravo com Bignotti.
Em meados dos anos 50, começa a produzir ilustrações para o mercado britânico através dos estúdios de Roy d'Ami. O seu primeiro trabalho no mercado britânico foi Jet Morgan, baseado num famoso programa de rádio. Também desenha Jeff Hawke em Junior Express, Riders of the Range in Eagle e várias obras para a Fleetway, incluindo contributos para a Comet, Top Spot, Buster, War Picture Library, Air Ace Picture Library, Battle Picture Library, Thriller Picture Library e Fleetway Super Library, além de produzir capas para títulos de romance.
De volta à Itália no final dos anos 60, começa a trabalhar para o Il Corriere dei Piccoli e para a editora Barbieri. Para esta última, cria a sexy Isabella. Em 1973, cria a sua melhor série juntamente com Alfredo Castelli, Os Aristocratas, para o Il Corriere dei Ragazzi. A série, baseada no filme Sette Uomini d'Oro, aparece no Corriere até 1976, e depois é publicado na revista alemã Zack até 1982. Além disso, Tacconi contribui para as coleções Larousse na L'Histoire de France e L'Histoire du Far West, e ilustra o álbum da Bonelli, Un Uomo un'Avventura com textos de Gino d'Antonio. Também com d'Antonio, Tacconi faz várias histórias sobre a Segunda Guerra Mundial em Il Giornalino.

Alfredo Castelli

Argumentista, Desenhador
(Itália) Milão, 26 de Junho de 1947


Castelli inicia a sua carreira na BD em 1965, quando se torna num editor para a Kolosso e Diabolik. Um ano mais tarde, funda o popular e influente fanzine Comics Clube 104, considerado o primeiro fanzine italiano. Torna-se conhecido por escrever argumentos desde 1967 para Rocky Rider, Pedrito El Drito e Piccola Eva. A partir desse momento, Castelli prova ser um escritor prolífico e versátil, contribuindo também para várias séries de televisão e numerosas revistas de BD, como Tilt, Corriere dei Ragazzi, Zack, Pif e Scoop.
Em 1978, cria Allan Quatermain para a revista Supergulp , sobre um explorador especializado em mistérios arqueológicos. Este personagem inspira o nascimento do famoso Martin Mystère, editado pela Bonelli em 1982, com desenhos de Giancarlo Alessandrini. Para a mesma editora, Castelli escreve para Dylan Dog, Zagor, Mister No e livros como L'Uomo delle Nevi (desenhos de Milo Manara) e L'Uomo di Chicago (obra de arte por Alessandrini ).
Desde o sucesso de Martin Mystère, Alfredo Castelli continua a trabalhar para a Bonelli, com séries como Zona X e The Almanack of Mystery.

Os Aristocratas

Gli Aristocrati
Policial
(Itália) Il Corrieri del Ragazzo, 1973 - (Alemanha), Zack, 1982
Alfredo Castelli (argumento) e Ferdinando Tacconi (desenho)
Estreia em Portugal: Jornal do Cuto #114, 8 de Outubro de 1975


Os Aristocratas são um grupo de cinco indivíduos ingleses (O Conde, Moose, Kurt, Pédro e Jane) que roubam aos ricos para doarem aos pobres, despistando com sucesso as diligências da Scotland Yard.

Esta página destina-se a compilar a banda desenhada publicada nas revistas portuguesas do século XX. Os dados constantes desta base de dados foram retirados das revistas, álbuns, bibliografia especializada e páginas da Internet. As informações constantes desta base de dados não se consideram completas, sendo meramente uma comparticipação do autor para o estudo da banda desenhada publicada em Portugal. Contudo, as bases de dados estão em permanente actualização. A catalogação dos episódios está, quando possível, ordenada por ordem cronológica da sua edição no país de origem. Nos autores, o primeiro nome refere-se ao desenhador. O ano refere-se à primeira publicação do episódio. Desde já, agradeço quaisquer colaborações para o desenvolvimento desta página, enviando correcções, aditamentos ou sugestões através do formulário da página.